Introdução às Provas de Trabalho

AS PROVAS DE TRABALHO

Introdução:

A ideia de competição assusta a maioria dos condutores principiantes, por isso uma das missões da nossa Associação deve ser a de tranquilizar os potenciais concorrentes. Os proprietários de um Perdigueiro Português precisam de saber que as provas vão do simples teste aos concursos mais relevantes e que ninguém entra nas provas pelo grau mais exigente. Poderemos fazer uma analogia com a escola. Precisamos de passar pela 1ª classe, 2ª, etc… para podermos chegar com bases suficientes à Universidade.

Assim, aconselhamos todos os novos proprietários a participarem, inicialmente, num Teste de Aptidões Naturais (TAN), Prova Derby ou Júnior, organizada pela nossa Associação. Depois, em função das qualidades demonstradas sobre o terreno, o nosso perdigueiro poderá participar nas provas especiais da raça e posteriormente nas provas abertas a todas as raças. A quase totalidade dos perdigueiros que participam em provas de Trabalho de Campeonato, com excelentes resultados, começaram por participar no T.A.N., na Derby ou Júnior.

Há vários anos que a Associação do Perdigueiro Português privilegia estas Provas Especiais da Raça, pois, para além da sua função cinotécnica, são fundamentais para iniciar, tranquilamente, cães e condutores.

Apesar da competição não substituir o enorme prazer de caçar, as provas são fundamentais para o melhoramento da raça e, além do mais, ainda proporcionam inesquecíveis momentos de prazer, possibilitando um prolongamento da época de utilização do nosso companheiro de caça.

Não devemos hesitar em seguir este percurso, etapa a etapa. O universo das provas de trabalho não é fechado como alguns podem pensar. É bastante simples, só precisa de uma integração e conhecimento gradual.

Provas:

Só os cães inscritos no LOP, no RI, ou noutro LO reconhecido pela FCI, poderão participar nas várias classes e tipos de provas reconhecidas pelo CPC.

Teste de Aptidões Naturais (T.A.N.)

O Teste de Aptidões Naturais tem como objetivo confirmar se os exemplares participantes reúnem as qualidades mínimas, de caçador, que um Perdigueiro Português deve possuir, no âmbito do “cão de parar”.

Só podem participar exemplares com idade compreendida entre os 6 e os 24 meses.

Só as qualidades naturais são examinadas e o comportamento do cão será apreciado através de 3 critérios:

1) O INSTINTO DA BUSCA – o entusiasmo e a paixão na procura da caça;

2) O INSTINTO DE PARAGEM – o localizar e parar por emanação, servindo-se do vento, nunca com a vista;

3) O EQUILIBRIO / CARACTER: o comportamento do cão durante o percurso e em especial a sua reação aos tiros e à presença humana.

Se nos três critérios a avaliação for considerada positiva o exemplar será considerado APTO e não poderá voltar a participar no TAN.

Se houver incumprimento de um dos três critérios o exemplar será considerado NÃO APTO e poderá repetir o teste em nova oportunidade.

A participação neste teste é o primeiro passo para qualquer condutor principiante. Não hesitem em participar, para além dos numerosos contactos que poderá fazer com outros condutores principiantes e experientes, terá a ocasião de comparar as qualidades do vosso perdigueiro e de beneficiar dos conselhos dos juízes.

Prova DERBY

A prova Derby é a fonte da cinofilia”. (Le Louët)

A prova Derby é indispensável para o melhoramento dos nossos Perdigueiros. O seu objetivo é evidenciar as qualidades inatas dos cães jovens, e em paralelo tirar ilações sobre o valor dos seus progenitores.

Podem participar exemplares com idade compreendida entre os 6 e os 24 meses.

Nesta prova os exemplares são examinados morfologicamente e funcionalmente.

O exame morfológico, realizado por um Juiz de beleza reconhecido pelo CPC, visa despistar defeitos físicos eliminatórios, segundo o estalão morfológico da raça.

O exame funcional, de acordo com o Estalão de Trabalho, visa qualificar as Qualidades Naturais, próprias da raça.

O comportamento dos exemplares no terreno é avaliado através dos seguintes critérios:

1) Meios físicos (incluindo o olfato) que lhe permitam uma busca ampla e um andamento rápido, enérgico e ritmado;

2) Decisão no controle das emanações, principalmente durante a mostra;

3) Estilo de trabalho, inerente à raça, na mecânica do andamento (no galope e no porte de cabeça) e na mostra (na paragem e no deslizamento).

Na prova Derby não há classificação dos exemplares, só qualificação.

Defeitos graves, morfológicos ou funcionais, afastam o exemplar da reprodução.

Prova Juniores

Com características idênticas à prova Derby, tem esta prova como principal objetivo revelar os futuros exemplares de competição. Estas provas permitem que jovens exemplares com ensino incompleto possam concorrer com vista à sua futura apresentação em provas de campeonato.

Podem participar exemplares com idade compreendida entre os 6 e os 30 meses e contempla qualificação e classificação.

Concurso de amadores

Prova organizada exclusivamente pelos Clubes de Raça para exemplares da raça que representam.

Condições de participação:

  1. Não possuir qualquer qualificação em classe aberta;
  2. Idade superior a 18 meses;
  3. Conduzidos obrigatoriamente pelo seu proprietário.

Tem por objetivo iniciar cães e condutores nas provas de trabalho, sendo obrigatório os exemplares serem conduzidos pelos seus proprietários.

Este tipo de prova é julgado com o rigor da uma prova de Classe Aberta no que diz respeito às qualidades naturais, mas com grande tolerância quer em relação às faltas cometidas pelos exemplares por ensino incompleto quer à falta de experiência dos condutores.

Um exemplar que se qualifique duas vezes não poderá voltar a concorrer nesta disciplina.

PROVAS DE CAMPEONATO

Objetivo das provas de campeonato:

O Clube Português de Canicultura, tem como principal objetivo, a melhoria dos cães de raça pura, em especial o Perdigueiro Português.

As provas de trabalho, para todos os cães do 7º Grupo (cães de parar sujeitos às provas de trabalho), são organizadas pelo Clube Português de Canicultura, pelos Clubes de Raça, ou por outras entidades desde que autorizadas pelo CPC.

Estas provas põem em evidência os melhores exemplares, para que de uma forma racional, possam ser utilizados na reprodução e assim melhorar a raça.

As provas regem-se por um regulamento do CPC.

Tipos de provas de campeonato - Prova Clássica sobre perdizes (C) (também designadas por Field trial de Primavera ou Prova de Primavera)

Estas provas realizam-se nos meses de Fevereiro e Março, em terrenos muito amplos e planos com culturas cerealíferas, que devem ter entre 10 a 20 cm de altura na ocasião das provas. Esta é a situação ideal pois o coberto permite ocultar as perdizes sem no entanto dificultar o trabalho dos cães.

Nestas condições, relativamente fáceis, (terreno e coberto) os juízes são muito seletivos, dando grande importância ao estilo inerente à raça, à amplitude da busca e à qualidade dos pontos, sendo as faltas punidas com muita severidade.

Atendendo à época do ano não há abate, após a mostra, ao voo das perdizes é disparado um tiro de pistola de alarme.

Prova de Verão (V) (também designada por Field trial de Verão)

Prova com características idênticas à prova de caça sobre espécies silvestres com a exceção de não se realizar cobro.

Os julgamentos devem ter em consideração a adaptação dos concorrentes às condições climáticas.

Prova de caça sobre espécies silvestres (Ca) (também designada por Caça Prática ou Field trial de Outono)

Estas provas realizam-se normalmente em plena época venatória, (Outubro a Dezembro) sobre todas as aves habitualmente caçadas com cão de parar, devem estar o mais próximo possível do ato venatório, sendo nomeados atiradores para que a caça seja abatida, os terrenos são todos aqueles onde habitualmente se caça.

Nestas provas, a busca deve ser adaptada à configuração do terreno, ao coberto vegetal e às espécies de caça existentes, a eficácia, o cobro e o ensino, têm grande importância.

Prova de Caça em Terra e Água (CTA) (também designada por B.I.C.P.)

Esta prova de caça deve ser a imagem precisa da caça prática com o abate da caça, tendo como objetivo por em evidência as capacidades dos cães de parar em todas fases da sua ação tanto em terra como na água, antes e após o tiro.

Um bom cão de parar não só deve descobrir a caça, mostrando-a, mas também ser capaz de encontrar a caça ferida para a entregar ao seu dono, não deixando peças feridas no terreno como manda a ética da caça.

Realiza-se em duas etapas distintas

Em terra em moldes muito idênticos aos de uma prova de caça sobre Espécies Silvestres.

Na água onde é necessário:

  • Pistagem na água;
  • Procura em vegetação aquática;
  • Perseguição à vista;

Prova de Caça na Água (Ca)

Esta prova realiza-se exclusivamente na água e é julgada conforme a Prova de Caça em Terra e Água.